Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Empresa madeirense entre as maiores do sector do pescado

O vice-presidente do Governo Regional da Madeira destacou, esta terça-feira, a posição de liderança do Grupo Vidinha, ao nível da exportação de pescado. A empresa madeirense, conforme referiu Pedro Calado, está em franca expansão e prepara-se para crescer ainda mais. 09-07-2019 Vice-Presidência
Empresa madeirense entre as maiores do sector do pescado Pedro Calado, que falava à margem de uma visita às instalações do Grupo Vidinha, na Zona Franca Industrial, no Caniçal, no âmbito da iniciativa Empresas com Proximidade, disse que esta é uma das maiores empresas do país, a qual “está a trabalhar quer na Madeira, quer nos Açores, quer no continente. Está presente nas 29 lotas que existem a nível nacional”.
Neste momento, tal como afirmou, “é responsável por 70% da exportação a nível nacional, quer no que diz respeito à comercialização do peixe espada-preto, quer também de tunídeos. Trata-se de uma empresa que, por ano, faz de exportação 3.500 toneladas apenas de atum e outras 1.500 toneladas de peixe espada-preto”.
É também, segundo Pedro Calado, “uma empresa com cerca de 70 funcionários e que está, neste momento, e muito bem, a aproveitar as vantagens do Centro Internacional de Negócios. Aproveita as vantagens de estar localizada aqui no Caniçal. Está também numa fase de expansão, a estudar áreas de terreno para expandir a sua área de fabrico”. 
Além disso, acrescentou ainda Pedro Calado, “é também uma indústria que está a aproveitar também aquilo que o Governo Regional tem feito de investimento no que diz respeito ao transporte aéreo de mercadorias” aproveitando o avião cargueiro para exportar peixe.
Ainda em matéria de exportação, o vice-presidente do Governo Regional disse que “esta está, neste momento, a ser feita para mercados internacionais, como os Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Espanha. É, portanto, uma atividade que está em franco crescimento e que aproveita, em muito, aqueles que são as nossas condições naturais e intrínsecas de uma ilha como a Madeira”.
Por isso, sintetizou o governante, “estamos muito satisfeitos com este exemplo. É uma empresa que está também, agora, a estudar o aproveitamento de fundos comunitários, sobretudo no que diz respeito ao aproveitamento energia fotovoltaica. Já está a ponderar novos investimentos nessa área. É, pois, uma indústria que está em franca expansão e que nos deixa muito orgulhosos”.