Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

SRAP promove o desenvolvimento da cultura da tabaibeira

Projeto de investigação/experimentação “Madeira Opuntias”, para aumentar a produção de tabaibo 28-09-2017 Direção Regional de Agricultura
SRAP promove o desenvolvimento da cultura da tabaibeira A Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, através da Direção Regional de Agricultura, está a desenvolver um projeto de investigação/experimentação sobre a cultura da tabaibeira (Opuntia ficus indica), denominado “Madeira Opuntias”, com o qual é visado estimular a sua produção, principalmente para a obtenção de fruto, quer na costa sul da Madeira, quer na ilha do Porto Santo.

A tabaibeira terá sido introduzida na ilha da Madeira no decurso do séc. XIX, com o fito de obtenção do pigmento carmim a partir da cochonilha que parasita esta planta.

Atualmente estima-se que na RAM existam cerca de 3 hectares de tabaibeiras, essencialmente nas encostas litorais dos concelhos da Calheta, Ponta do Sol, Ribeira Brava, Santa Cruz e Machico, bem como na Ilha do Porto Santo. As plantas estão, na sua grande generalidade, dispersas e remetidas desordenadamente para terrenos declivosos e marginais para a agricultura, não deixando o seu fruto de ser aproveitado para venda em fresco, através de um circuito comercial informal, sobretudo no Funchal, no período de verão a outubro de cada ano.  

Se bem que seja uma cultura que tolera solos mais pobres e de difícil cultivo e um regime hídrico menos favorável, vindo a constituir-se como um fator de desenvolvimento, onde outras culturas não encontrariam condições de rentabilidade, caso particular de áreas da ilha do Porto Santo, também em solos mais férteis, com irrigação, e correta condução cultural, proporciona produtividades muito mais elevadas que em sequeiro e vantagens comparativas face a outros cultivos.

O “Madeira Opuntias”, entre outras vertentes, inclui a seleção de variedades existentes e o seu melhoramento genético (seleção massal), e testes de adaptação e performance de cultivares/variedades comerciais de tabaibo de polpa branca, laranja e vermelha. Futuramente, um dos propósitos será dispor de um número suficiente de plantas selecionadas, através da propagação vegetativa, para municiar, em parceria com viveiristas regionais, o setor produtivo.

Assim, a Direção Regional de Agricultura já procedeu à instalação de um campo de ensaio na ilha do Porto Santo, no centro Experimental do Farrobo, onde estão plantadas as diferentes variedades de tabaibo existentes nesta ilha, como na da Madeira.

Este campo de ensaio tem como objetivos principais selecionar as melhores variedades e dar a conhecer aos agricultores as práticas agronómicas que permitam revitalizar a planta e otimizar a produção de fruto, de modo a incentivar a adesão dos agricultores à sua cultura.

Em simultâneo, o “Madeira Opuntias” contempla a avaliação do tempo de vida útil dos frutos após a sua colheita, de equipamentos mais eficazes de limpeza e retirada dos picos, e de técnicas de armazenamento e embalamento dos tabaibos. Paralelamente serão lançados desafios a chefs para a valorização gastronómica do tabaibo e de outros constituintes da tabaibeira, bem como realizados testes de mercado, não só direcionados aos consumidores madeirenses, mas também aos turistas, e aos respetivos canais de distribuição.

Com o desenvolvimento do projeto, promovendo o aumento do volume e da qualidade da produção, incentivando o consumo, como ainda a comercialização profissional do tabaibo da Madeira, é intenção da Secretaria Regional de Agricultura e Pescas proporcionar aos agricultores mais uma alternativa de produção de valor acrescentado.

Além dos frutos, muito ricos em vitamina C, sais minerais, fibra e em componentes antioxidantes, da planta do tabaibo, todos os órgãos podem ser aproveitados para várias utilidades, incluindo as flores, as sementes e as palmas (cladódios).

Exemplo desta multivalência, ressalve-se o notável trabalho que vem sendo desenvolvido pela Quinta do Faisão da ilha do Porto Santo, com a produção de vários derivados da tabaibeira (doce de tabaibo, cladódios de tabaibeira cristalizados, sabonete de tabaibo), os quais muito recentemente, no âmbito da 3.ª Festa do Figo e do Tabaibo, que decorreu na Fajã da Ovelha entre 8 e 10 de setembro passado, puderam ser degustados/experimentados.


Anexos

Descritores