Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Quarentena obrigatória para quem chega e apoios às famílias e empresas

Quem entrar na Madeira, via Aeroporto, será obrigado a quarentena obrigatória, anunciou, há pouco, Miguel Albuquerque. O presidente avançou ainda com várias medidas de apoio às famílias e às empresas. 22-03-2020 Presidência
Quarentena obrigatória para quem chega e apoios às famílias e empresas

Miguel Albuquerque acaba de anunciar várias medidas de apoio às famílias, bem como o confinamento obrigatório, a partir das zero horas do dia 23 de março, de todos os passageiros que cheguem ao aeroporto da Madeira. Uma medida com anuência e conhecimento do Presidente da República.

O presidente do Governo Regional falava, há pouco, em conferência de imprensa, onde anunciou a suspensão do pagamento das creches e das rendas habitacionais e não habitacionais de complexos habitacionais sob tutela da Região, nos meses de abril, maio e junho.

Por outro lado, empresários em nome individual e trabalhadores com atividades liberais e atividades económicas serão alvo de medidas específicas a serem tomadas ainda esta semana, em novas reuniões do Governo Regional.

O Turismo será uma das atividades que merece mais atenção da Região, a par das Pequenas e Médias Empresas. Para ambos estão previstas mais medidas, sendo que no primeiro sector estão previstas perdas mensais na ordem dos 50 milhões de euros.

 

Miguel Albuquerque garantiu ainda que empresas que estão a funcionar a ‘meio gás’, com perdas de receitas, serão necessariamente apoiadas.

O governante diz ainda que na próxima terça-feira irá abordar a questão da continuidade, ou não, das obras na Região.

O presidente do Governo Regional elogiou a forma como a população tem cumprido, com uma ou outra exceção, para a qual não haverá contemplações. E avisou: «Isto não é para brincar, não é para fazer churrascos. As pessoas devem estar confinadas e evitar os contactos. Isto não é nenhuma brincadeira. Não vamos entrar em paranoias, mas temos de ser responsáveis. Está em causa a saúde dos nossos cidadãos»

 

«Neste momento temos uma luta de vida ou de morte relativamente à contenção de uma doença que pode ser fatal», recordou Miguel Albuquerque, para depois acrescentar: «Eu tenho que olhar para aquele que é o interesse cimeiro e todas as medidas que forem necessárias tomar, o Governo vai tomar».

O líder madeirense disse ainda ter conhecimento de que «há um conjunto de indivíduos que não estão a cumprir o isolamento social decretado no aeroporto». Sob esses, vai atuar a polícia.

Quanto aos estabelecimentos que não estão a cumprir, Miguel Albuquerque anuncia que foi apertada a fiscalização e que, na sequência da mesma, tem havido estabelecimentos encerrados, bem como abertos autos de desobediência.


Anexos

Descritores