Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Eduardo Jesus sublinha relevância da Madeira de ser Destino Preferido

Depois do pontapé de saída durante toda a manhã de hoje em que o secretário regional de Turismo e Cultura e presidente da Associação de Promoção da Madeira, Eduardo Jesus, esteve reunido com o Capítulo de Operadores da APAVT, que trabalham com o destino Madeira, foi assinado o protocolo para que a região seja o Destino Preferido 2020 da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo. 11-02-2020 Turismo e Cultura
Eduardo Jesus sublinha relevância da Madeira de ser Destino Preferido

Aconteceu durante um almoço no hotel Dom Pedro Palace, onde estiveram presentes, além de Eduardo Jesus, o presidente da APAVT, os principais operadores associados que trabalham com o mercado insular, e igualmente a comunicação social da Madeira e do Continente.

O secretário regional disse ser um momento de grande felicidade a celebração do protocolo de ‘Destino preferido 2020’ da APAVT, numa relação que sublinhou já ser antiga, duradoura e saudável.

Mais reforçou que a relação com a APAVT se “tem pautado sempre por um envolvimento comum e entusiasmado ao longo de todos estes anos”.

Neste âmbito, lembrou que a Madeira fora ‘Destino preferido’ em 2016 e que, daí para cá, “não paramos de crescer no mercado nacional”.

Além disso, referiu que a região tem tido a preferência da APAVT na realização dos seus congressos anuais, tendo já recebido cinco vezes essa reunião magna do setor, sendo que a última vez ocorreu em novembro do ano passado, com mais de 700 congressistas. É mesmo o destino que mais vezes acolheu o Congresso dos agentes de viagens.

No seu discurso, Eduardo Jesus teve ocasião igualmente para relevar o valor dos constrangimentos para evoluir. Disse que estes não são mais do que “dádivas porque constituem, naturalmente, grandes oportunidades”. Complementou que “se não estivéssemos debaixo de pressões comos as das acessibilidades, da competitividade, da falência ou não, de companhias, da dinamização de outros destinos turísticos, e do facto de alguns deles não se regerem por regras a que estamos obrigados no espaço europeu, não inovaríamos. E se não inovássemos, estaríamos sempre no mesmo estádio de desenvolvimento”.

Neste sentido, deixou claro que “é com essa postura de inovação, de criação e de desenvolvimento, que vejo esta parceria com a APAVT, e que encontro nela mais um momento e um espaço de provarmos que somos capazes de promover a superação em encontrar novos caminhos, novas soluções e a afirmar o destino”.

Daí que tenha enfatizado a oportunidade e a grande vontade com que “entendemos este desafio de sermos os preferidos, novamente, desta classe em Portugal continental”.


Anexos

Descritores