Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

"A cultura é um ativo fundamental de riqueza”

O Secretário Regional de Turismo e Cultura presidiu esta terça-feira, à cerimónia da tomada de posse dos órgãos sociais da Associação da Cultura e Indústrias Criativas do Atlântico 17-06-2020 Turismo e Cultura
"A cultura é um ativo fundamental de riqueza”

O Secretário Regional de Turismo e Cultura presidiu esta terça-feira, à cerimónia da tomada de posse dos órgãos sociais da Associação da Cultura e Indústrias Criativas do Atlântico para o triénio 2020/2022.

Na ocasião, Eduardo Jesus referiu que o Governo Regional saúda todas as iniciativas que possam contribuir para o emprego na cultura e para melhorar o acesso e a participação cultural. “Trabalhar na e com a cultura é uma responsabilidade, mas acima de tudo, um bem maior. O que vai criar na economia portuguesa é um círculo virtuoso gerado a partir daquilo que somos efetivamente fortes, virando-nos para fora, a partir de dentro. A Madeira não é exceção, somos competitivos na medida em que fomos capazes de valorizar a cultura e a criatividade, no seu caráter mais amplo, através da inovação, da diferenciação, e acima de tudo, daquilo que nós somos. É com a nossa cultura, a nossa história, a nossa criatividade, o nosso conhecimento, que podemos produzir bens e serviços de grande valia à escala mundial.”

Para o governante, a cultura “é um ativo fundamental de riqueza, cujo peso macroeconómico cresce, com a evolução positiva dos principais indicadores de qualidade de vida e de bem-estar e as atividades culturais são um factor de geração de emprego, tanto mais significativo, quanto maior é o grau de desenvolvimento socioeconómico”. Eduardo Jesus considera importante o surgimento de projetos coletivos, de natureza privada em que possam contribuir objetivamente para este desígnio.

No entendimento do Governo Regional, referiu Eduardo Jesus, a Cultura “não pode ser apenas vista enquanto repositório de conhecimento, ou de usos e tradições. Importante também a adoção de uma ideia principal, alicerçada em medidas concretas, que permitam pela via de criatividade, da investigação, do empreendedorismo, da promoção e da divulgação, afirmação da Madeira, quer no país, quer no mundo, assumindo através do potencial criativo e do seu próprio património cultural”.

O Secretário Regional destacou o  aumento gradual, por parte do Governo Regional, do financiamento e apoio a diferentes domínios de expressão artística e culturais da Região Autónoma da Madeira, desde aos apoios à programação, criação artística, ao património e à descentralização cultural.

O Secretário Regional de Turismo e Cultura destacou também, o apoio e incentivos disponibilizados para a produção e realização de eventos, setor que emprega muitos profissionais na RAM,  bem como o incentivo à criação de postos de trabalho, através de apoio sustentável a despesas de funcionamento de estruturas culturais e artísticas, e o cofinanciamento de candidaturas de entidades regionais a programas nacionais e comunitários, reveladores também, do papel da cultura e da criatividade da Região  na internacionalização de projetos e artistas da Madeira.  “Fazemo-lo , porque as atividades culturais e criativas podem desempenhar o papel de grande relevância na qualidade da articulação entre os programas operacionais, com financiamentos diversos visando a coesão editorial e ordenamento cultural do território”

"Se desejamos uma economia baseada no conhecimento e um novo papel para as cidades como espaços privilegiados de criação de riqueza, incluindo esta bela cidade de Machico, rica em história e cultura, então é de saudar iniciativas e associações que apostem na crescente interpenetração das atividades materiais e imateriais e no estabelecimento de redes e parcerias, como é o exemplo da escolha deste concelho para sede da Atlanticulture e da preocupação desta associação não apenas na dimensão arquipelágica da Madeira, mas da sua presença atlântica, estreitando laços no espaço da Lusofonia", referiu Eduardo Jesus.


Anexos

Descritores