Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

" 20 Anos Depois" de Ana Vidigal

Exposição no MUDAS. Museu de Arte Contemporânea da Madeira 07-12-2020 Turismo e Cultura
" 20 Anos Depois" de Ana Vidigal

Abertura da Exposição “20 Anos depois” de Ana Vidigal na Galeria do MUDAS.Museu

Esta exposição marca o regresso desta conceituada artista à Madeira, exactamente vinte anos depois da exposição “Véu da Noiva”, projeto partilhado com Ruth Rosengarten e que teve lugar no Salão Nobre do Teatro Municipal Baltazar Dias. Para esta exposição, Ana Vidigal propõem-se apresentar na região, a convite do Museu, um conjunto de obras distribuídas entre objetos, técnica mista e instalação que, de certa maneira, preconizam uma revisitação por alguma da sua obra produzida entre 2016 e 2019.

Sobre Ana Vidigal, refira-se que nasceu em Lisboa, em 1960. É formada em pintura pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (1984). Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian (1985/1987). Em 1989 fez um estágio de gravura em metal com Bartolomeu Cid dos Santos, na Casa das Artes de Tavira. Foi pintora residente do Museu de Arte Contemporânea do Funchal na Fortaleza de São Tiago, entre 1998 e 1999. No ano seguinte, além de receber o Prémio Maluda para jovens pintores, foi selecionada pela Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA) para integrar a coleção de pinturas de onze artistas oferecidas ao Brasil, tratando o tema "A carta de Pero Vaz de Caminha". Em 1995 e em 2002 foi convidada pelo Metropolitano de Lisboa para a execução de painéis de azulejos para as estações de Alvalade e de Alfornelos (construída), respetivamente. Galardoada com vários prémios, está representada em enumeras coleções públicas e privadas entre as quais a do MUDAS.Museu de Arte Contemporânea da Madeira.

A pintura de Ana Vidigal é feita por acumulação de diversos materiais sobre os mais variados suportes. Como a própria artista em tempos afirmou acerca do seu trabalho, a "pintura é tudo o que se cola". O seu processo criativo estabelece-se pela integração no suporte (tela ou outro) de objetos, em muitos casos reciclados, exteriores ao campo tradicionalmente pictórico da pintura. Estes elementos tanto podem constituir-se por objetos da sua infância, como por elementos característicos da cultura dos anos sessenta e setenta do século passado, de outras culturas, cruzando, inclusive, referências literárias, entre outros elementos. Com uma obra de forte pendor critico, satírico e implicada socialmente, trabalhando em alguns projetos questões de natureza política, Ana Vidigal surpreende-nos pela subtileza das suas composições, pela leveza conceptual e critica com que reorganiza o espaço composicional, desconcertando-nos pela agudeza e perspicácia das suas narrativas que constrói.

 

“20 anos depois”, para visitar na Galeria do MUDAS.Museu até 27 de fevereiro de 2021, com entrada livre.

https://www.facebook.com/MUDASmuseu

 

 

 

 


Anexos

Descritores