Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

Aplicação móvel GeoD e novo Roteiro da Geodiversidade divulgam património do Porto Santo

Estas iniciativas, que foram desenvolvidas numa perspetiva multilingue, constituem «uma mais-valia para os que nos visitam e mais um elemento de competitividade e diferenciação do destino 04-07-2017 Administração Pública do Porto Santo
Aplicação móvel GeoD e novo Roteiro da Geodiversidade divulgam património do Porto Santo A aplicação móvel GeoD Porto Santo e o Roteiro da Geodiversidade do Porto Santo apresentados hoje, no Porto Santo, pela Secretária Regional do Ambiente e Recursos Naturais pretendem divulgar o património da ilha e torná-lo mais acessível aos residentes e aos visitantes.

«A partir de agora, passamos a disponibilizar de um importante apoio visual e tecnológico para a descoberta de quase duas dezenas de locais de interesse geológico que existem na ilha e nos ilhéus», informou Susana Prada, acrescentando que «a praia do Porto Santo representa apenas uma pequena parte da ampla riqueza geológica da ilha.

Neste sentido, Susana Prada referiu que «é com muita satisfação que o Governo Regional vê no terreno: a sinalética; as placas interpretativas dos geossítios; a nova versão do roteiro da geodiversidade e a respetiva aplicação móvel.

De acordo com a responsável, estas iniciativas, que foram desenvolvidas numa perspetiva multilingue, constituem «uma mais-valia para os que nos visitam e mais um elemento de competitividade e diferenciação do destino».

E sublinhou: «Além do interesse científico, didático e cultural que estes sítios possuem, pretendemos também que sejam um motivo de valorização da oferta turística».
«Sendo o Porto Santo uma referência nacional em termos de geodiversidade, é nosso dever proteger esse património, valorizá-lo e torná-lo acessível a todos. É também um exemplo de como a conservação da natureza, longe de representar um estorvo aos naturais anseios do progresso social das populações, pode e deve ser encarada como um factor de desenvolvimento», rematou Susana Prada.


Fonte: SRA