Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Secretaria de Agricultura aposta na reabilitação da cultura da cerejeira

Jornadas técnicas sobre a cultura da cerejeira terminam amanhã 16-07-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural
Secretaria de Agricultura aposta na reabilitação da cultura da cerejeira
A Secretaria Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, através da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DRA), está a promover umas jornadas técnicas sobre a cultura da cerejeira, que se prolongam até amanhã, com a designação ‘Reagir às Problemáticas da Cultura da Cerejeira na Madeira’. 
Para o efeito, foi convidada a deslocar-se à Região uma das maiores especialistas nacionais nesta fruteira, Berta Maria de Carvalho Gonçalves Macedo, Professora Auxiliar do Departamento de Biologia e Ambiente, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, que, entre outros, participou num simpósio, fez visitas aos cerejais, realizou reuniões de trabalho com técnicos da DRA e promoveu uma ação de divulgação com agricultores.
Como é do conhecimento geral, a produção da cereja, em 2020, foi muito atípica, uma situação de que não há memória nas últimas décadas, e que resultou de uma muito baixa taxa de abrolhamento das cerejeiras, ou seja, uma muito baixa emissão de gomos florais, os quais vão dar origem às flores e, posteriormente, aos frutos.
A quebra de produção em causa está diretamente relacionada com a falta de frio que se fez sentir durante o Inverno, mormente nos sítios de maior produção, sobretudo nos concelhos de Câmara de Lobos, nomeadamente nas freguesias do Jardim da Serra e do Curral das Freiras, e no da Ribeira Brava, freguesia da Serra de Água, que determinou uma quebra da produção na ordem dos 80 a 90% relativamente à registada no ano anterior.   
Atenta à situação, a DRA, apostada na reabilitação da cultura da cerejeira, está a prosseguir um conjunto de ensaios implementados há cerca de três anos, que vão desde o estudo de variedades de cerejeira com menores exigências em frio, análise de porta-enxertos mais adequados para as condições dos solos e clima, investigação das principais pragas e doenças da cultura, ou ainda a prospeção e conservação do património genético de cerejeira na Região. 


Anexos

Descritores