Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

Visita às Ilhas Selvagens

Na passada sexta-feira, uma comitiva liderada pelo Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, visitou as Ilhas Selvagens. 20-09-2022 Mar e Pescas
Visita às Ilhas Selvagens

No seguimento da conferência “Ilhas Selvagens – Um catalisador para a Economia Azul Sustentável Nacional”, que se realizou no dia anterior a esta expedição,  a comitiva composta pelas mais elevadas entidades regionais e nacionais com competências associadas à Reserva Natural das Ilhas Selvagens, bem como ilustres convidados, dos quais merece destaque o enviado especial do Secretário Geral da ONU, Peter Thomson, tiveram a oportunidade de efetuar uma visita às Ilhas Selvagens.

 

Mediante esta, foi possível verificar a riqueza do património arqueológico e biológico desta que é a maior Reserva Natural do Atlântico Norte, cimentando ainda mais a certeza de que as Ilhas Selvagens possuem uma importância natural e geoestratégica de valor incalculável para a nossa região e país.

 

As Ilhas Selvagens são identificáveis como o território português que se situa mais a sul, estando localizadas a sudeste da Ilha da Madeira. Este território é constituído por duas ilhas de origem vulcânica, a Selvagem Grande e a Selvagem Pequena. É também formado por um conjunto de ilhéus, entre os quais merece destaque o Ilhéu de Fora, bem como por toda a área marinha circundante.

 

Estas ilhas foram as primeiras representantes de áreas protegidas no Arquipélago da Madeira, sendo a primeira Reserva Natural Portuguesa.

 

A 29 de novembro de 2021, o Governo Regional, promoveu a criação da Maior Área Marinha de Proteção Total da Europa, ampliando, significativamente, a proteção das águas do Arquipélago, no ano em que se celebrava os 50 anos da constituição da Reserva.

 

O alargamento desta reserva para mais de 2600 km2, vem fortalecer o compromisso de reforço de proteção do ecossistema mais intacto do Atlântico Nordeste, contribuindo para o aumento da diversidade marinha, da riqueza genética e da capacidade de reprodução de espécies, muitas destas de interesse nacional.


Anexos

Descritores