Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Taxistas vão dispor de meios para enfrentar a concorrência

Inauguração da nova sede da TAXISRAM 22-09-2021 Economia
Taxistas vão dispor de meios para enfrentar a concorrência

A garantia foi deixada, esta tarde, pelo secretário regional da Economia, enquanto discursava na inauguração da nova sede da associação TAXISRAM, na Nazaré.

 

Rui Barreto, que começou por fazer um agradecimento aos muitos taxistas presentes, pelo trabalho de décadas ao serviço da Madeira e dos madeirenses, recordando o papel dos taxistas na Região e lembrando que, “quando não havia transportes públicos, como temos hoje, para ajudar as pessoas a deslocarem de um lado para outro, eram os motoristas de táxi que o faziam”.

 

Sob o olhar atento de largas dezenas de taxistas, o secretário regional afirmou que “eles não são apenas os motoristas que estão na praça, foram, sempre, alguém que esteve para acudir nas horas difíceis”.

 

No seu discurso, o governante recordou que o setor do táxi foi um dos mais afetados pela pandemia o que, a juntar entrada dos TVDE na Região, provocou quebras de faturação acentuadas no setor.

 

Mas sobre a ‘lei Uber’, que permitiu a entrada das plataformas eletrónicas na Madeira, o governante, que tutela o setor dos transportes terrestres, chamou a si e ao Governo Regional o trabalho de diálogo permanente com as associações representativas do setor, que culminou numa “lei justa para o setor do táxi”, disse.  

 

De acordo com o secretário regional da Economia, a Madeira é a Região do país que melhor defendeu o setor do táxi e os seus profissionais, através da lei aprovada no parlamento regional, sob proposta do Governo. “A missão do Governo era difícil, mas o Governo serve para mediar os interesses. Existe um setor novo (TVDE), mas havia também um setor que nós respeitamos muito”, sublinhou, acrescentando que o Governo Regional não podia permitir que “uma lei feita na Assembleia da República matasse o setor do táxi e pusesse em causa 1.900 famílias”.

 

“Quando foi preciso ouvir as necessidades nós estivemos lá. Apoiámos em 930 mil euros, isentámos o pagamento das inspeções periódicas, isentámos o pagamento das taxas de verificação dos taxímetros e estamos a trabalhar para que os senhores disponham de meios digitais para que possam se relacionar com os clientes da mesma forma que outros já os fazem”, garantiu.  

 

Mas porque é necessário que o setor se adapte, Barreto promete que o Governo já está a trabalhar para que os industriais de táxi “tenham os mesmos meios e as mesmas armas para enfrentar a concorrência”, concluiu.

 


Anexos

Descritores