Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Natação foi escola de vida para Miguel Albuquerque

Miguel Albuquerque evocou hoje os sues tempos de nadador, lembrando amizades que perduram e valores que fizeram da natação «uma verdadeira escola de vida». 30-07-2019 Presidência
Natação foi escola de vida para Miguel Albuquerque

Miguel Albuquerque diz que a natação foi, para ele, uma escola de vida. Recordando, na cerimónia de apresentação do livro “Ondas de Glória”, da Associação de Natação da Madeira, os seus tempos de nadador, o governante lembrou amizades antigas e recordou vários episódios, com destaque para as provas no antigo Lido, na antiga piscina em cal.

O presidente do Governo Regional, que fez questão de na primeira e maior parte da sua intervenção, falar como antigo nadador, destacou valores que aprendeu na natação: «Aprendemos preservança, a traçar objetivos e conquistá-los, a autodisciplina (que é fundamental na vida), a força de vontade e a determinação, o espírito de sacrifício na concretização de determinados desideratos. E outra coisa importantíssima que é saber desportivamente disputar esses objetivos. Porque o desporto é também a criação de laços de interação e amizade entre as pessoas e de colaboração entre elas».

Recordou ainda que essas memórias evocam «um tempo de uma Madeira em mudança, sem infraestruturas desportivas, hierarquizada do ponto de vista social, pobre». Na altura, lembrou, «estávamos a iniciar o processo de democratização e de conquista da Autonomia».

«Tenho memórias excecionais desse tempo, onde forjei amizades que ainda hoje continuam.  Os amigos não precisam de estar sempre em contacto nem precisam de falar. Podem estar juntos, sem falar, que a gente sabe que há sempre uma relação estreita de amizade, consolidada ao longo de muitas aventuras e de muitos anos», destacou ainda.

Miguel Albuquerque lembrou que, na sua altura, o desporto não era massificado, ou seja, a maioria dos jovens, na sua altura, não tinham acesso à prática desportiva nem à Cultura, algo que hoje em dia, «felizmente, não acontece, com a generalização da prática desportiva e do acesso à cultura e ao ensino artístico».


Anexos

Descritores