Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

Albuquerque quer escolas a dar formação em empreendedorismo

Miguel Albuquerque gostaria de ver as escolas da Região a dar formação na área do empreendedorismo, à semelhança do que já o fazem na área das tecnologias. O presidente do Governo Regional falava ao início da tarde desta quinta-feira, na cerimónia de oficialização de 13 novos contratos de apoio no âmbito do Programa de Criação de Empresas e Emprego (CRIEE), uma iniciativa do Instituto de Emprego da Madeira. 10-11-2022 Presidência
Albuquerque quer escolas a dar formação em empreendedorismo

O líder madeirense mostrou-se confiante de que será possível conseguir-se dar essa formação, um dia, nas escolas, mesmo que seja ao nível extracurricular.

Falando para os jovens empresários, o governante assumiu-se como «um abnegado defensor do empreendedorismo».

«Acho que ser empresário é, não só um ato de risco, mas um ato de liberdade, e a maioria dos empresários são pessoas que acreditam em si próprias, não estão à espera dos outros para desenvolver as suas atividades para o bem da comunidade. E acho que esta ideia de estimularmos o empreendedorismo na Madeira é decisiva para o futuro», defendeu.

Miguel Albuquerque recordou que, desde 2015, o Governo já apoiou a criação de 470 empresas através do programa CRIEE, a maioria das quais, reconheceu, já não consegue identificar como tendo tido a sua génese neste apoio e que hoje são de grande sucesso. E deu como exemplo destas empresas de sucesso que nasceram no IEM a Confeitaria e o restaurante Vaca Negra.

«Há todo um conjunto de empresas de sucesso, umas com mais visibilidade do que outras, que tiveram a sua génese neste programa. Um programa de apoio à capacidade empreendedora dos cidadãos e, sobretudo, dos empresários», destacou.

O presidente do Governo Regional afirmou ainda que «ser empresário comporta sempre algum risco, pelo que não se pode criar o estigma que os empresários não podem falhar».

«A maioria dos empresários de sucesso nos Estados Unidos começou com alguns projetos que não tiveram resultados, voltaram a tentar, não ficaram com nenhum estigma por causa disso, e hoje conseguiram alcançar o sucesso», lembrou.

Desta forma, sublinhou a importância de se incentivar ao empreendedorismo, sublinhando que «isso liberta as pessoas, faz com que as pessoas sejam mais livres, que não fiquem dependentes do Estado, que trabalhem e criem a sua própria empresa, que tomem as decisões que entendem ser as melhores para o seu futuro».

A concluir, deixou a garantia: «Estamos aqui para vos apoiar e depois também para saber o vosso feedback de como as coisas estão a decorrer, das vossas dificuldades».


Anexos

Descritores