Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Armadores com mais tempo para pagar serviços do Entreposto Frigorífico

Reunião dos industriais das pescas com o secretário regional de Mar, Teófilo Cunha, avaliou "o que está bem e o que está menos bem" 28-01-2020 Mar e Pescas
Armadores com mais tempo para pagar serviços do Entreposto Frigorífico

Os armadores de pesca vão ter mais tempo para pagar os serviços que são prestados pelo Entreposto Frigorífico do Funchal.  Medida anunciada pelo secretário regional de Mar e Pescas, Teófilo Cunha, depois da reunião com os industriais do setor que serviu para o governante saber dos empresários “o que está bem e o que está menos bem”.

O encontro de trabalho contou com a presença dos industriais da Ilha Peixe, JNA, Friatum e Cooopesca, reunião que contou com a presença do diretor regional de Pescas, Rui Fernandes. “Fizemos uma avaliação do funcionamento das instalações, da saída do pescado, contabilização do peso, quer à entrada da lota, quer à saída, depois de refrigerado”, referiu o governante à comunicação social. “O nosso objetivo é ouvir os empresários e tentar ir ao encontro das suas preocupações e sugestões.”

Uma das mediadas a praticar já, é o alargamento do prazo de pagamento dos serviços prestados pelo Entreposto Frigorífico do Funchal aos armadores.

À margem dos assuntos tratados na reunião, o secretário regional de Mar e Pescas foi questionado pelos jornalistas sobre o tema do momento: a aquacultura. Teófilo Cunha esclareceu que o projeto que chegou a estar anunciado para a zona Cabo Girão/Fajã dos Padres “diluiu-se”, tendo assegurado que o referido projeto deixou de existir: “Não existe ninguém interessado”, afirmou.

Relativamente à Ponta do Sol, mantém a posição de que “é preciso esclarecer as populações”, assegura que “isso será feito nos próximos dias”, e anuncia que estão a ser preparadas ações de esclarecimento “dirigidas às pessoas que pouco sabem de aquacultura, de modo a formar uma consciência colectiva de acordo com os parâmetros que norteiam a actividade”.

“Uma coisa é certa: vai haver explicações às pessoas para perceberem realmente o que é a aquacultura”, diz. Para sublinhar que ainda “não estão definidos prazos” para concretizar a nova instalação e que a mesma “deverá” ficar “ligeiramente afastada” da área defronte à vila da Ponta do Sol.

 

 


Anexos

Descritores