Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Miguel Albuquerque defende voto eletrónico

O presidente do Governo Regional não entende porque é que nãos e deixa que as pessoas votem a partir das suas casas, recorrendo a meios digitais. E acusa a indefinição habitual no País, na decisão em torno do voto, para as Legislativas nacionais, para quem estiver em isolamento profilático a 30 de janeiro. 13-01-2022 Presidência
Miguel Albuquerque defende voto eletrónico

O presidente do Governo Regional não entende porque é que não se permite às pessoas votarem a partir de casa.

Miguel Albuquerque assume-se defensor do voto eletrónico, frisando não ser admissível, nos dias de hoje, o ritual do voto presencial.

Miguel Albuquerque, que falava à margem de uma visita que fez hoje a uma empresa de imobiliário no Funchal, assume estar preocupado com a questão do isolamento dos casos positivos e de contactos próximos, que pode fazer subir imenso a abstenção nas eleições.

«À boa maneira portuguesa será tudo decidido em cima da hora…. Estão a ouvir os constitucionalistas, os pseudo constitucionalistas, enfim toda aquela parafernália de gente que emite opiniões no Pais…. E nada anda para a frente!», perspetivou.

O governante diz que ainda estamos à espera que se decida quais os procedimentos que têm de ser tomados, no sentido de, garantindo a salvaguarda da Saúde Pública, as pessoas poderem exercer cabalmente o seu direito de voto.

«Um país que se está sempre a gabar da transição digital já deveria ter resolvido esta situação. Não faz nenhum sentido nós continuarmos a fazer o ato de voto como no século XIX», criticou.

Segundo Miguel Albuquerque, «as pessoas poderiam e deveriam votar hoje a partir das suas casas…». E complementou o raciocínio: «Hoje, já quase toda a gente tem acesso a instrumentos digitais, a computadores. Porque não se faz o voto digital? Qual é o problema? Porque haveremos de manter um ritual que não é dos dias de hoje…».

O líder madeirense diz que «temos de evoluir e aproveitar o potencial que existe nesta área, no sentido de facilitar a vida às pessoas».


Anexos

Descritores