Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Museu Vicentes é legado deixado às novas gerações

Miguel Albuquerque não tem dúvidas: a renovação do Museu de Fotografia Vicentes é um legado que este Governo deixa às novas gerações. E deixou elogios à preservação de um espólio de mais de 1,5 milhões de negativos. 29-07-2019 Presidência
Museu Vicentes é legado deixado às novas gerações

O presidente do Governo Regional acaba de destacar, durante a inauguração do Museu Vicentes, o trabalho feito pelo Arquivo e Biblioteca da Madeira, liderado pela sua diretora, Fátima Barros, na preservação de «um espólio fantástico, magnífico, de mais de 1,5 milhões de negativos».

Felizmente, sublinhou Miguel Albuquerque, esse espólio «está muito bem acautelado, selecionado, monitorizado e inventariado e já grande parte digitalizado, com acesso ao público, pelo Arquivo e Biblioteca da Madeira».

Miguel Albuquerque falava durante a inauguração da obra de reabilitação do Museu Vicentes, localizado na Rua da Carreira, no Funchal. Uma oportunidade para agradecer «a todos os que estiveram empenhados nesta obra, na concretização deste Museu, deste sonho antigo dos madeirenses».

«Foi o primeiro museu de fotografia do nosso País e não é por acaso que está sedeado na nossa Região Autónoma. Nós somos pioneiros, estamos na vanguarda num conjunto de iniciativas», enalteceu.

O líder madeirense garantiu ainda que «o Governo vai, politicamente, assegurar o bom funcionamento, com qualidade e com sentido de excelência, desta joia preciosa que é o Museu Vicentes».

Lembrando que «povo que não conhece a sua história, que não preserva o sue passado tem um presente insuficiente e de certeza que não tem futuro», o governante disse ainda que aquele Museu «é um legado que deixamos às novas gerações, o do trabalho pioneiro que foi desenvolvido por inúmeros fotógrafos, começando pelo Vicente Silva».

No seu discurso, Miguel Albuquerque lembrou ainda o contributo de Helena Araújo, antiga diretora do Museu, tecendo ainda encómios a Francisco Clode, que liderou o processo do Museu.


Anexos

Descritores