Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Secretário Regional foi orador nas Jornadas Madeira 2020 do JM

O Secretário Regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, foi orador esta manhã nas Jornadas Madeira 2020, do JM, versando os desafios do Turismo, que decorreu no hotel Vila Galé, em Santa Cruz. Centrou no seu discurso em três vertentes: de onde vimos, onde estamos, e para onde vamos, no que diz respeito ao Turismo. 26-02-2020 Turismo e Cultura
Secretário Regional foi orador nas Jornadas Madeira 2020 do JM

Eduardo Jesus começou por falar de 2015, ano em diz ter começado um novo ciclo no turismo da Madeira. Neste domínio, lembrou a decisão de concentrar toda a promoção do destino na Associação de Promoção da Madeira e de, logo nesse ano, ser duplicado o seu orçamento. “Permitiu alocar todos os meios da promoção a uma estrutura altamente profissional, e que a Madeira se posicionasse lá fora de uma maneira diferente”, complementou.

Eduardo Jesus referiu que Madeira se afirmou como destino turístico, estruturada em três grandes pilares: a montanha, o mar e a cultura.   

Disse igualmente que foi a partir dessa altura que a Madeira decidiu planear o seu turismo, com a Estratégia para o Turismo da Madeira e a revisão do Programa de Ordenamento Turístico.

Em relação ao presente, o secretário regional referiu ser um momento de alguma inflexão na tendência que vinha a acontecer na vinda de turistas, realidade que sublinhou ser por razões que não têm a ver com o que foi planeado, que permitiu o crescimento até 2017. Disse que que são resultado de razões de ordem externa que não se podem controlar, mas que podemos combater. Eduardo Jesus refere-se a duas realidades que afetaram dois dos principais mercados do destino Madeira: o Brexit, no mercado inglês, e a falência de companhias de aviação, no mercado alemão. Ambos representam 40% dos turistas que chegam à Região.

Mas também há outra componente importante, ligada a destinos concorrentes que se reposicionaram e que não estão sujeitas às mesmas regras da União Europeia nas suas ações de promoção. Por isso mesmo, dispõem de meios que não podem ser aplicados em nenhum país do espaço europeu com quem concorrem na captação de turistas.

Quanto a perspetivas, Eduardo Jesus quis, sobretudo, desmistificar as leituras das estatísticas. Referiu que a Madeira cresceu, desde 2010, até 2019, 53% no número de hóspedes e 50% nas dormidas. “Nenhuma região europeia cresceu tanto como a Madeira em tão pouco tempo”, acentuou. Nesta sequência, referiu que o ano passado, a Região desceu 0,7% nos hóspedes e 2,5% nas dormidas. Pelo que considera que descer o que descemos “há muito mais ruído” além do que dizem os números.

No entanto, admite que é um sinal, para o qual temos de estar atentos e reagir, o que aconteceu com o reforço de 35% nas verbas do Governo destinadas à Associação de Promoção da Madeira, que é, para este ano, de 13,5 milhões de euros.

O secretário regional de Turismo e Cultura teve oportunidade de falar ainda do que está a ser feito no exterior para a captação de mais turistas, nomeadamente através do reforço de operações de companhias de aviação.


Anexos

Descritores