Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Pedro Ramos defende a aposta num envelhecimento com qualidade de vida

Segundo o responsável pela tutela da Saúde, apesar da longevidade ter aumentado, a qualidade dos anos de vida tem que ser melhorada. 13-10-2021 Saúde e Proteção Civil
Pedro Ramos defende a aposta num envelhecimento com qualidade de vida

O secretário regional de Saúde e Proteção Civil, Pedro Ramos, participou no VI Fórum da Pessoa Idosa, no dia 12 de outubro, no Hospital Dr. Nélio Mendonça. Na ocasião, o governante deixou uma palavra de agradecimento e reconhecimento aos Assistentes Sociais do Serviço de Saúde da RAM pelo trabalho desenvolvido nas várias áreas de intervenção e também pelo importante trabalho realizado no âmbito da resposta à pandemia.  

  

De acordo com o governante, o envelhecimento constitui um grande desafio para a saúde nos próximos anos. O Governo Regional está a acompanhar esta realidade e desafia os responsáveis que estão à frente dos vários serviços para o desenvolvimento de estratégias para a melhoria da qualidade de vida dos idosos. 

 

Na sua intervenção, menciona as mudanças demográficas relacionadas com o aumento da esperança de vida e com a queda da natalidade.  

“Na Região Autónoma da Madeira, em 2020, existiam 43.670 idosos, com o índice de envelhecimento a situar-se nos 136 idosos por cada 100 jovens”.

Os censos de 2021 revelam que, na última década, Portugal perdeu mais de 200.000 pessoas e, em 20 anos, o índice de longevidade passou de 41,9% para 48,7%, tendo o índice de envelhecimento subido de 101,5% para 165,1%, disse. 

 

Segundo o responsável pela tutela da Saúde, apesar da longevidade ter aumentado, a qualidade dos anos de vida tem que ser melhorada. “Este aumento da esperança média de vida não significa apenas ter mais anos de vida, significa que temos de ter mais anos com qualidade de vida”, afirmou. 

 

O fenómeno do envelhecimento demográfico que as sociedades modernas vivenciam, ao qual o nosso país e região não são exceção, e os respetivos desafios que coloca aos governos, famílias e sociedades em geral, exigem um olhar atento, reflexão e adequação constante das políticas sociais e de saúde.