Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

Solar do Aposento

A Casa do Aposento constitui-se como uma tradicional casa madeirense abastada, na tradição arquitetónica insular, com exem-plos bem presentes na costa norte e particularmente na freguesia de Ponta Delgada, concelho de São Vicente. 07-01-2019 DRC
Solar do Aposento

Solar do Aposento, Ponta Delgada 

A  Casa do  Aposento   constitui-se como uma tradicional casa madeirense abastada, na tradição arquitetónica insular, com exem-plos bem presentes na costa norte e particularmente na freguesia de Ponta Delgada, concelho de São Vicente. Grande parte destas construções vinculavam-se em propriedades agrícolas, de maior ou menor dimensão, e ligadas à produção do vinho. Na Madeira a estas casas se deu a designação de solar, ganhando características diferentes dos solares em contexto nacional.

Trata-se de uma construção de meados do século XVIII, como pode ver-se numa inscrição em pedra a data de 1746, provavelmente erguida sobre construção mais antiga. Situa-se junto ao caminho real no sítio do Açougue, com corpo principal retangular, onde se destaca a meio da construção uma torre altaneira com janelas viradas ao mar e à serra, num posicionamento estratégico. Apresenta repetição de um modelo de fenestração retangular, com postigos duplos de madeira e vidro numa das portadas, emolduradas por robustas cantarias negras da região. As coberturas primitivas apresentam quatro águas e telha de canudo, com beirado duplo.

Como propriedade agrícola fazia acompanhar-se de várias dependências, por exemplo, a ocupação de todo o piso térreo de lojas ou armazéns de vinho junto a um lagar.

Nas imediações existe mesmo um moinho de água e são visíveis outras construções no intramuros da propriedade, que devem corresponder a antigos estábulos e casas de meeiros.

 

O solar sofreu algumas transfor-mações importantes ao longo do século XX, como a construção de acrescentos junto à cozinha e a adaptação de uma pequena dependência, a capela. 

 

O logradouro, junto da casa, era primitivamente empedrado de calhau rolado e também lajeado por grandes placas de pedra no acesso às lojas de arrecadação das grandes pipas de vinho. Neste pátio existia uma grande latada de vinha que sombreava o rés-do-chão.

 

A área habitacional acede-se por escadarias nas extremidades. Uma delas tem óculo moldurado de cantaria. A área mais nobre, que ainda apresenta uma sala com o soalho original de grandes pranchas de castanho, tem também tetos de masseira.

 

Na cozinha permanece um raro, mas ao tempo comum, forno duplo, com duas portas, sobre lajeado de pedra.

 

Quer na vizinha freguesia de São Vicente, quer em Boaventura, existem várias casas de tradição, conhecidas por solares, tendo Ponta Delgada outros interessantes exemplos como o Solar do Ladrilho, da família do escritor Horácio Bento de Gouveia, a Casa do Pico, construção altaneira colocada sobre dramático cenário, com sua torre avistando o mar, referida por Agustina Bessa-Luís, em A Corte do Norte, conhecida também, por casa dos Meninos da Beira.

 

A Casa do Aposento era propriedade da Sr.ª D. Maria Hilária Diniz Abreu de Freitas (1913-2003), filha de Augusto Joaquim de Abreu e de Maria da Conceição dos Reis Pestana, nascida em Ponta Delgada. Já viúva de António de Freitas Júnior legou, por testamento, à Região Autónoma da Madeira a Casa do Aposento com seu recheio para ser instalada uma estrutura museológica, dando a conhecer as suas coleções artísticas a todos os visitantes, curiosos das tradições do norte da Madeira e de Ponta Delgada.

 

Do recheio da Casa do Aposento, doado à Região, deve antes de mais referir-se uma característica, a de ter na sua maioria sido adquirido no mercado antiquário regional e outra parte ser constituído por herança familiar.

 

Pode caracterizar-se um núcleo significativo constituído por mobiliário de origem madeirense do século XIX, em vinhático, til e castanho, seguindo modelos do mobiliário coevo inglês, a grande referência da marcenaria regional desse século. Outro conjunto, mais eclético, é marcado pelo mobiliário inglês, mas também português de finais do século XVIII e XIX. No mobiliário nacional deve destacar-se um canapé de pau santo, em estilo D. José I, com seu espaldar recortado e pernas galbadas.

 

Do conjunto refira-se especialmente um Santo António, escultura em madeira estofada, policromada e dourada, datável de meados do século XVII, de uma boa oficina regional. A mesma origem pode ter uma Nossa Senhora da Piedade, também na coleção. De uma oficina portuguesa, de meados do século XVII, é uma pintura a óleo sobre tela, posta numa moldura de meados do século XIX, representando Nossa Senhora com o Menino. Trata-se de uma obra informada dos valores lumínicos da produção ibérica e mesmo italiana de efeitos tenebristas.

 

Na coleção, ainda especial referência para um espelho de madeira entalhada e dourada, de uma oficina nacional ao tempo de D. Maria I, de finais do século XVIII, inícios do século XIX. Apresenta forma retangular com duas grinaldas de belo efeito. Devem destacar-se dois espelhos portugueses dourados de meados do século XIX. 

 

No conjunto da doação mencione-se um alargado número de objetos de uso doméstico, que caracterizam as cozinhas, quartos de dormir ou mesmo da casa de jantar madeirense de meados do século XIX. Especial nota para as loiças inglesas, em faiança, estampadas da mesma época.

 

Organicamente foi decidida a geminação e a tutela da 

 

Casa do Aposento ao Museu Quinta das Cruzes. Para além da operacionalidade administrativa, entendeu-se que faria sentido a ligação das duas estruturas, salvaguardadas as respetivas dimensões, na medida em que o Museu Quinta das Cruzes, como quinta funchalense, tem por reverso uma casa agrícola, ajudando a rastrear as diferenças e proximidades entre a construção em espaço urbano e rural.

 

À apresentação inaugural das coleções do Aposento, foram adicionadas peças provindas das coleções do Museu Quinta das Cruzes, para uma mais coerente harmonização de períodos estilísticos, e reforçar a dimensão de casa ao gosto madeirense do século XIX e de boa parte do século XX.

 

O Solar do Aposento foi classificado como imóvel de valor cultural local em 1993 e em 2001, como imóvel de interesse municipal.


Morada: 

Rua Dr. Manuel Escórcio, nº 22, 9240 - 101 Ponta Delgada, São Vicente

Telefone: 

(351) 291 644 563

E-mail:

solardoaposento@madeira.gov.pt

Horário de funcionamento:

De terça-feira a sábado, das 10H às 16H;
Encerrado à segunda-feira, domingo e feriados.

Ingresso:

Gratuito.

Visitas guiadas:

mediante marcação prévia.



Anexos

Descritores