Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Madeira vai aproveitar oportunidade para acelerar mudanças digitais e ecológicas

O Secretário Regional das Finanças, Rogério Gouveia, afirmou, hoje, que a transição ecológica e digital são áreas fundamentais para diligenciar uma economia regional de futuro, robusta e menos vulnerável às constantes mudanças que caracterizam o mundo atual. 06-12-2021 Finanças
Madeira vai aproveitar oportunidade para acelerar mudanças digitais e ecológicas

O governante falava na Sessão de Abertura da 2ª Conferência das Regiões da Macaronésia, subordinada ao tema “Crise Pandémica, Mobilidade e o Futuro do Turismo na Macaronésia: Transição Ecológica e Digital”, que visa analisar o impacto da crise pandémica na mobilidade e no turismo destas regiões, num contexto em que se preveem acentuadas transformações futuras.

De acordo com o secretário regional, enquanto regiões insulares e ultraperiféricas, afastadas dos grandes centros de decisão e dos principais mercados, a crise pandémica veio evidenciar ainda mais a enorme dependência destes territórios aos transportes e realçar a necessidade de se adotar soluções de mobilidade inteligentes e sustentáveis, essenciais para a coesão social, económica e territorial.

“A Madeira quer aproveitar a oportunidade para acelerar mudanças que já estavam, contudo, a ser preparadas muito antes da crise”, explicou Rogério Gouveia aos representantes dos Governos de Canárias, Açores e Cabo Verde, presentes, realçando o grande investimento que tem vindo a ser feito em infraestruturas digitais, como é o caso do cabo submarino, dos projetos na área da saúde, na área da educação, e o posicionamento da Região no projeto-piloto “Nómadas Digitais”, que tem atraído profissionais do setor empresarial e empreendedores de todas as geografias para virem trabalhar, a partir da Madeira, para o resto do mundo.

O responsável pela tutela lembrou, ainda, que esta é, também, uma aposta perfilhada no Plano de Recuperação e Resiliência, que reserva mais de 251 milhões de euros para a transformação digital em várias áreas, nomeadamente para a mobilidade e a atividade turística sustentável e de qualidade, assente no respeito pelo ambiente e na luta contra as alterações climáticas.