Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Governo lança programa de detecção precoce do cancro oral

O Programa de Saúde Oral passa agora a alargar a vigilância aos grupos de risco, integrando um programa de intervenção precoce do cancro oral, em parceria com a Ordem dos Médicos Dentistas da Madeira. 24-05-2017 Saúde e Proteção Civil
Governo lança programa de detecção precoce do cancro oral

O Governo Regional da Madeira lançou hoje o programa de intervenção precoce do cancro oral da Região Autónoma da Madeira, numa apresentação pública, que contou com a presença do Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque.

O secretário regional da Saúde mostrou-se satisfeito por ser possível avançar nesta área da detecção precoce do cancro oral, afirmando que este é mais “um passo na consolidação da estratégia para a saúde da população, com mais segurança  e mais qualidade”.

O Programa de Saúde Oral passa agora a alargar a vigilância aos grupos de risco, integrando um programa de intervenção precoce do cancro oral, em parceria com a Ordem dos Médicos Dentistas da Madeira.

 A Região regista 30 a 40 casos por ano de cancro oral, que atingem essencialmente pessoas com idades compreendidas entre os 40 e 64 anos. Esta patologia é a 6.ª causa de mortalidade desde 2014 na Região, o 7.º em termos de incidência e mortalidade do país e o 11.º a nível da União Europeia.

 A deteção precoce dos casos de cancro oral garante uma intervenção com mais sucesso, aumentando a sua esperança de vida e diminuindo a morbilidade e mortalidade associadas.

O secretário referiu que é importante continuar a “actuar na promoção da saúde e na prevenção da doença, consolidar os programas de rastreio existentes e adicionar os que ainda não estão disponíveis, mantendo uma proximidade com a população”.

 Pedro Ramos  garantiu que a estratégia está definida até 2019 “e não à custa de medidas avulsas”.“Somos mais fortes se estivermos unidos porque a saúde não pode ser refém de outros interesses que não o interesse superior de mais saúde e mais vida para todos”, salientou o governante, nesta apresentação.