Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Governo Regional diferencia-se do Governo da República pelo forte investimento na saúde

Pedro Ramos reuniu com os assistentes operacionais do Atalaia 17-07-2018 Saúde e Proteção Civil
Governo Regional diferencia-se do Governo da República pelo forte investimento na saúde O Serviço Regional de Saúde diferencia-se do Serviço Nacional de Saúde pelo forte investimento que o Governo Regional da Madeira tem realizado na área da saúde, sobretudo no reforço dos profissionais, quer da área clínica, quer de apoio ao funcionamento. 
Uma consideração deixada pelo secretário regional da Saúde, Pedro Ramos na reunião que manteve hoje, com os assistentes operacionais do Atalaia Living Care, no âmbito da sua visita àquela unidade de cuidados continuados. 
Esta reunião teve como objetivo “tranquilizar” aqueles profissionais,  que reclamam de uma sobrecarga de trabalho em horas extraordinárias e, nesse sentido pedem o reforço de profissionais. Pedro Ramos informou que este reforço vai acontecer e lembrou que já na próxima semana,  o Serviço de Saúde vai contratar 40 novos assistentes operacionais, dos quais 7 serão afetos ao Atalaia, o que permitirá aliviar alguns turnos. 
O governante destacou a importância daquela unidade na resposta às altas clínicas. No total são 211 camas ocupadas em permanência e asseguradas por 45 enfermeiros, 72 assistentes operacionais e 35 técnicos. 
Em declarações aos jornalistas, Pedro Ramos referiu que o investimento que o Governo tem vindo a realizar em saúde tem-se concretizado, através do reforço dos recursos humanos, na criação de melhores condições de trabalho e na área da tecnologia e da diferenciação, de que “é exemplo a certificação da unidade de medicina reprodutiva, hoje concretizada”. 
“Fruto deste investimento foi possível repor 3 dias de férias a todos os funcionários, regularizar 105 situações de precariedade, contratar 40 assistentes operacionais e 20 enfermeiros, que vão permitir aliviar o trabalho extraordinário” concluiu Pedro Ramos. 
                                                                                   Funchal, 17 de Julho de 2018