Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Semana Mundial de Sensibilização para os Antibióticos

O Dia Europeu dos Antibióticos e a Semana Mundial dos Antibióticos têm por objetivo sensibilizar para a correta utilização dos antibióticos. 18-11-2019 Saúde e Proteção Civil
Semana Mundial de Sensibilização para os Antibióticos

O Serviço de Saúde da RAM (SESARAM, E.P.E) associa-se à Semana Mundial de Sensibilização para os Antibióticos, dinamizada entre os dias 18 e 24 de novembro de 2019, uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) que engloba o Dia Europeu dos Antibióticos (assinalado no dia 18 de novembro).

O Dia Europeu dos Antibióticos e a Semana Mundial dos Antibióticos têm por objetivo sensibilizar para a correta utilização dos antibióticos. Uma responsabilidade de todos, cidadãos e profissionais de saúde envolvidos na sua prescrição e distribuição, a nível humano e animal, contribuindo para a diminuição da resistência das bactérias aos antibióticos.

As infeções associadas aos cuidados de saúde e o aumento da resistência aos antimicrobianos constituem uma preocupação crescente à escala mundial. A comemoração destas datas visa promover uma utilização adequada dos antibióticos e informar os utentes acerca dos riscos da automedicação com estes medicamentos.

No âmbito desta temática, e ciente da importância de consciencializar para esta problemática, o Grupo Coordenador do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos do SESARAM (GCPPCIRA), tem dinamizado ações de formação/sensibilização nas diversas unidades do SESARAM, nomeadamente nos Hospitais, nas Unidades de Cuidados Continuados e nos Serviços prestados em regime de ambulatório.

Desde há alguns anos, o SESARAM tem vindo a dirigir a sua atenção e trabalho para o uso racional de antibióticos. Entre as diferentes ações salientam-se a implementação de uma Política de Antimicrobianos em 2011, a publicação da 2ª edição do Manual de Antimicrobianos em 2016, a formação dos profissionais de saúde com os Cursos de Antimicrobianos e a implementação do Programa de Apoio à Prescrição de Antimicrobianos (PAPA).

Considerando a importância desta temática e ciente do importante papel dos profissionais de saúde (prescritores, enfermeiros e farmacêuticos) junto da "população ativa" o GCPPCIRA reforça a importância de uma informação clara e objetiva junto dos utentes quanto à preservação do antibiótico.

Aos utentes, o GCPPCIRA reforça o alerta para os riscos da automedicação com antibióticos e, na necessidade da sua utilização, para que cumpram corretamente a prescrição médica e que entreguem os excedentes nas farmácias.

A descoberta dos antibióticos trouxe grandes benefícios, nomeadamente a diminuição da morte prematura e o aumento da esperança de vida das populações, mas também trouxe alguns malefícios, como o aparecimento de estirpes de bactérias resistentes aos antibióticos.

Os especialistas estimam que a resistência aos antimicrobianos será responsável pela morte de 10 milhões de pessoas por ano em todo o mundo em 2050 e, segundo dados da OCDE, Portugal terá uma média anual de mais de 1.100 mortes por infeções por bactérias muito resistentes até 2050.

A OMS considera a resistência aos antibióticos uma grave ameaça à saúde pública mundial.

“Melhorar a saúde da população” é uma das medidas previstas no Plano Nacional de Combate à Resistência aos Antimicrobianos 2019-2023, recentemente divulgado (outubro de 2019).

Sob o mote “Uma só Saúde”, o plano assenta em seis objetivos globais: “Prosseguir a implementação do conceito de “uma só saúde’”, “melhorar o conhecimento sobre a resistência aos antimicrobianos”, “fortalecer a base de conhecimentos e evidência através da vigilância epidemiológica, monitorização ambiental e investigação” e “reduzir a incidência da infeção”. “Otimizar o uso dos antimicrobianos” e “manter o compromisso e aumentar o investimento sustentado em novos medicamentos, ferramentas de diagnóstico, vacinas e outras intervenções relevantes” são outros objetivos do plano.


Anexos

Descritores