Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus reúne-se com parceiros do sector da construção

O Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, com a tutela das obras públicas, reuniu-se na última semana com diversos agentes deste sector com o intuito de sentir o pulso a uma atividade que já foi um dos principais motores da economia Regional e que continua a ser um importante veículo empregador de trabalhadores Madeirenses. 19-01-2017 Assuntos Parlamentares e Europeus
Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus reúne-se com parceiros do sector da construção Nesse sentido manteve encontros com a Direção da ACIF e associados deste sector, com  Assicom e com Diamantino Alturas do SICOMA – Sindicato dos Trabalhadores de Construção Civil.
 

Das impressões trocadas os diversos interlocutores concordaram que o ciclo de grandes obras públicas está ultrapassado e que será, porventura, irrepetível. Também houve um consenso que o sector da construção, pelo menos no que diz respeito às obras públicas, não voltará a ter o peso que teve durante vários anos, a nível do emprego.  No entanto, foi ressalvado pelas partes que esta continua a ser uma atividade relevante na economia regional, e que pode e deve representar um importante ativo precisamente ao nível do emprego, ainda mais nas vertentes que o Governo vem privilegiando. Estas são, recorde-se, a manutenção e conservação do edificado durante os grande anos da construção, bem como a vertente da reabilitação urbana, que privilegiam essencialmente a mão de obra regional e que abre a possibilidade a que empresas de menor dimensão possam concorrer à execução dos trabalhos.

 
Também as intervenções ao nível da segurança de pessoas e bens, nomeadamente aquelas que decorrem das diretrizes do EARAM,  mas igualmente as que se referem à estabilização de taludes sobranceiros às estradas regionais, continuarão a ser uma prioridade do Governo, até pelas características orográficas da nossa Região. Estas são  intervenções  que sempre existirão, e que por essa razão necessitarão sempre de mão de obra.