"Raízes do Atlântico 2015" começa amanhã

16ª edição do mais antigo festival de "World Music" do país começa com um workshop 13-07-2015 Economia, Turismo e Cultura
"Raízes do Atlântico 2015" começa amanhã A edição de 2015 do Festival Raízes do Atlântico, evento integrado no Projeto Festivais Culturais da Madeira, organizado pela Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura (SRETC), através da Direção Regional da Cultura (DRC), arranca amanhã com a primeira de três ações conexas ao evento. 
A partir das 10 horas desta terça-feira, os Banda D’Além, Xarabanda, C’azoada, MedioAtlantico e grupo Flores de Maio, estarão nas instalações Direção de Serviço de Educação Artística e Multimédia  para orientar o Workshop “Reflexão sobre o panorama musical regional com os grupos de música tradicional da Madeira”.
Na quarta-feira, dia 15, também a partir das 10 horas, no mesmo local, Paulo Esteireiro realiza a conferência sobre “Como compor para os cordofones tradicionais madeirenses em estilos atuais”. Ainda a anteceder os três dias de concertos do “Raízes do Atlântico”, na quarta-feira, a partir das 15 horas, na Avenida Arriaga, haverá animação de rua a cargo do grupo Camachofones.
A 16ª edição do Festival Raízes do Atlântico, aquele que é o mais antigo evento dedicado à World Music em Portugal, engloba também seis concertos de acesso gratuito nos dias 16, 17 e 18 de Julho, sempre a partir das 21 horas, no auditório do Jardim Municipal. 
No primeiro dia reservado aos espetáculos musicais, tem honras de abertura do evento, pelas 21.00 horas, o Xarabanda, grupo que esteve na génese deste festival e, sem dúvida, um dos mais conhecidos grupos madeirenses que se dedicam à divulgação do cancioneiro popular de tradição oral musical da Madeira e do Porto Santo. Depois desta atuação, pelas 22.30 horas, terá lugar o concerto de Vitorino, uma das grandes vozes da música portuguesa que, certamente, irá mostrar o porquê do Cante Alentejano ter sido considerado pela UNESCO Património Imaterial da Humanidade. 
Na sexta-feira, dia 17, o programa inicia-se com a presença em palco, a partir das 21.00 horas, dos madeirenses C’azoada, que se apresenta como um projeto de fusão musical que, tendo sempre por base a Música Tradicional da Madeira, aposta nas várias sonoridades da World Music. A segunda parte do programa, com início marcado para as 22.30 horas, terá como protagonista a sonoridade cabo-verdiana, interpretada pela voz melodiosa e doce de Nancy Vieira.
Já na última noite do Festival “Raízes do Atlântico”, os sons levarão a assistência ao Brasil, com a atuação, às 21.00 horas, dos Raspa de Tacho, grupo que se dedica totalmente à divulgação daquele que é o primeiro género musical genuinamente brasileiro, o “choro” ou “chorinho”. 
Finalmente, o encerramento do Festival, a partir das 22.30 horas, estará a cargo de uma voz feminina: Aline Frazão, uma das novas vozes da música angolana que levará ao Jardim Municipal um percurso musical onde se cruzam as influências de Luanda, mas também aquelas que foi beber a Lisboa, Madrid, Barcelona, Galiza, Brasil e Cabo Verde.
O 16º Festival Raízes do Atlântico é apoiado pelo programa comunitário Intervir + e produzido pela EDICARTE.


Anexos

Descritores