Governo pede atenção da TAP nas tarifas para a Região

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, pediu esta tarde sensibilidade à TAP quanto às tarifas praticadas nas ligações aéreas com a Madeira e o Porto Santo. De acordo com Pedro Calado, os preços são, muitas vezes, proibitivos, tendo em atenção que a mobilidade só pode ser assegurada pela via aérea. E, sabendo que de Lisboa só existem duas companhias a oferecer, com regularidade, diariamente, o destino Madeira, não pode nem deve ser visto como um qualquer outro destino. Até porque, o 18-06-2018 Vice-Presidência
Governo pede atenção da TAP nas tarifas para a Região

Pedro Calado, que participava na cerimónia de assinatura do protocolo entre o Governo Regional e a companhia aérea portuguesa associado às comemorações dos 600 anos dos descobrimentos da Madeira e do Porto Santo, apelou ainda à atenção para a questão dos cancelamentos de alguns voos, quer por motivos operacionais da TAP, ou ainda por motivos meteorológicos, afetando um grande número de passageiros, quer madeirenses, quer turistas.

Além disso, o vice-presidente do Governo Regional abordou ainda a questão dos limites da operacionalidade do Aeroporto Internacional da Madeira – Cristiano Ronaldo. Sem nunca pôr em causa da segurança das operações, Pedro Calado pediu à TAP para que colaborasse, com todas as entidades, tal como o Governo Regional, tem vindo a fazê-lo, no sentido de haver uma solução que não comprometa os níveis de segurança, mas também não penalize de forma tão acentuada, como tem acontecido nos últimos meses.

Pedro Calado disse, ainda, que os madeirenses têm uma relação afetiva com a TAP, recordando que a companhia começou a voar para o Porto Santo em 1960 e para a Madeira em 1964. Também por isso, é a companhia aérea mais procurada pelos madeirenses nas ligações aéreas com continente. Essa preferência, tal como referiu, assenta, essencialmente, em dois aspetos importantes, por um lado a confiança e, por outro, a lealdade.

A secretária regional do Turismo e Cultura na sua intervenção, realçou a importância da assinatura deste protocolo, o qual irá permitir uma simbiose entre a Região e a companhia aérea portuguesa. Paula Cabaço recordou que este protocolo vai permitir levar estas comemorações através dos vários suportes e plataformas que a TAP dispõe, destacando, por isso, essa “excelente oportunidade de promoção, não só das nossas iniciativas, das iniciativas que são realizadas no âmbito dos 600 anos, mas, acima de tudo, uma excelente oportunidade de promoção do destino Madeira”.

Para Paula Cabaço, este protocolo “é um bom exemplo daqueles que são os objetivos dos 600 anos, que é de, por um lado, dar visibilidade regional às nossas iniciativas, mas também um alcance nacional e internacional, que este acordo naturalmente nos vai proporcionar. E, por outro lado, é também nosso objetivo envolver a sociedade nestas celebrações, sejam as entidades públicas, ou privadas, pelo que esta parceria é também o exemplo de um envolvimento que se pretende”.

Na mesa, para além do vice-presidente e da secretária regional de Turismo e Cultura, Pedro Calado, estiveram, também, o Antonoaldo Neves, David Nunes e Miguel Frasquilho, do Conselho de Administração da TAP, e Guilherme Silva, presidente da Comissão Executiva dos 600 anos dos descobrimentos da Madeira e do Porto Santo.