Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Madeira lamenta o facto de não estar incluída no calendário de grandes eventos da Presidência Portuguesa da União Europeia

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, lamentou, esta sexta-feira, o facto da reunião do Conselho Informal dos Assuntos Gerais e da Coesão, no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia (PPUE21), inicialmente agendada para a Madeira, tenha sido, agora, transferida para Coimbra. 23-10-2020 Vice-Presidência
Madeira lamenta o facto de não estar incluída no calendário de grandes eventos da Presidência Portuguesa da União Europeia

Tal como recordou Pedro Calado, “Portugal vai assumir a Presidência da União Europeia, pelo período de seis meses, já a partir do próximo dia 1 de janeiro de 2021. Uma análise ao calendário de eventos que está a ser definido, a realizar no âmbito da Presidência Portuguesa da União Europeia, permite verificar uma exclusão da Região Autónoma da Madeira das principais iniciativas a realizar no nosso país, nomeadamente, os conselhos informais, que se encontram ‘confinados’ à parte continental do país, esquecendo as suas regiões autónomas”.
Pedro Calado, que participou, esta manhã, no grupo de trabalho político da Comissão Interministerial de Assuntos Europeus, inteirou-se da decisão de cancelar a reunião na Madeira, pela boca da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, e afirmou “não entender as razões para que a Região Autónoma da Madeira esteja praticamente excluída da realização destes grandes eventos que estão previstos no âmbito da PPUE21”.
Na oportunidade, o vice-presidente do Governo Regional recordou que “chegou a estar agendado um Conselho Informal dos Assuntos Gerais e da Coesão para o Funchal, que passou para Coimbra e, agora, também a conferência, ao mais alto nível, sobre a lei do clima, também poderá passar para Lisboa”.
A confirmar-se esta decisão, “a Região deixa de ter qualquer evento deste lado do Atlântico, o que é de lamentar, atendendo à importância das regiões ultraperiféricas e das regiões autónomas, sobretudo num momento tão particular, em que deve ser dada atenção a todas as regiões”.
Para Pedro Calado, “no momento presente, em que deveria ser dado especial enfoque à coesão territorial, social e geográfica, não é positivo estar a excluir as regiões autónomas deste calendário de grandes eventos que estão previstos para o país”.
Para já, Pedro Calado diz que teve, da parte da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, “a garantia de que estão a trabalhar no sentido de ser possível a realização de um evento relevante na Madeira e que a preocupação que a Madeira deixou deverá ser atendida”.
Além da secretária de Estado dos Assuntos Europeus e do vice-presidente do Governo Regional da Madeira, participaram, nesta reunião, vários outros secretários de Estado, bem como diversos representantes de diferentes ministérios, assim como membros do Governo Regional dos Açores.


Anexos

Descritores