Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Madeira é a entidade pública com as contas mais transparentes e fiáveis do país

A Conta da Região de 2017, que foi defendida na Assembleia Legislativa da Madeira, esta tarde, foi a única à qual o Tribunal de Contas não apontou qualquer reserva e mereceu, inclusive, elogios públicos do Juiz Presidente daquela instituição suprema de fiscalização e controlo dos dinheiros públicos 25-06-2019 Vice-Presidência
Madeira é a entidade pública com as contas mais transparentes e fiáveis do país

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, defendeu, hoje, na Assembleia Legislativa que a análise que o Tribunal de Contas faz à Conta da Região de 2017, permite assumir que a Madeira não só é a entidade pública com as contas mais transparentes do país, mas sobretudo com as contas mais fiáveis. 

A leitura do parecer do Tribunal de Contas, realçou o governante é, mais uma vez, elucidativa sobre o estado de rigor e equilíbrio que as contas públicas regionais continuam a apresentar há vários anos consecutivos. 

O Governo Regional continua a ser o único executivo a apresentar saldos orçamentais positivos, tendo inclusivamente ao longo destes últimos anos, sido a única Região a contribuir para que o défice do país não fosse ainda pior. 

Em contraste com a trajetória da dívida da República e dos Açores, explicou Pedro Calado, a Madeira voltou a consolidar, de forma exemplar, as suas finanças públicas, alcançando um saldo orçamental positivo, essencial para a dinamização da economia e para a criação de empregos, mas também para o aprofundamento da nossa autonomia financeira e política. 

Foi também com orgulho que o Governo Regional registou que a Conta da Região foi a única à qual o Tribunal de Contas não apontou qualquer reserva. 

“Este resultado, que mereceu elogios públicos do Juiz Presidente do Tribunal de Contas, evidencia, a nível nacional e, sobretudo, internacional, a capacidade do Governo Regional em gerir as suas próprias despesas”, reforçou o vice-presidente do Governo.